quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Papeizinhos

As grandes, cinematográficas saudades que repousam nos recônditos de nossa memória são inspiradoras, mas as saudades contidas nos pequenos objetos e a sua persistência são perturbadoras.

Talvez por sempre nos pegar desprevenidos: um papel de bala reconstrói um universo inteiro.

Fala-se do poder das imagens e das palavras, mas essas pequenas coisas têm a força de uma máquina do tempo.

Na adolescência, enquanto voltávamos para Porto Alegre depois de um longo período de veraneio no litoral, me surpreendi com um pequeno pedaço de madeira nas mãos. Rastro de algum resto de algo que recolhi antes de sair pela última vez da praia.

A última vez.

Como isso parecia verdadeiro naqueles dias. Só revestia de mais importância o pedaço de madeira.

Havia outros motivos, claro. A adolescência é o período das primeiras paixões e havia, claro, uma pessoa, que, claro também, nunca ficou sabendo de nada.

Segurava o pauzinho e o nó na garganta.

Fiquei obcecado por essas pequenas relíquias e os átomos de significado que elas carregam. Sei que não sou o único – originalidade nunca foi o meu forte – e procuro não coletar restos humanos, como cabelos, unhas e qualquer coisa perecível (argh!).

Cheguei a incorporar saudades alheias: um compacto – daqueles pretos de vinil – do Lennon, que meu irmão havia pego emprestado de alguma garota e era perfumado (na época essas razões me escapavam). Nunca mais ouvi #9 Dream do mesmo jeito. O perfume qualificou a – já ótima – música. A garota, só existiu na minha imaginação, nunca a vi.

Nessas horas penso em moléculas, células, nanocoisas que permanecem naqueles objetos. Mesmo um recibo de cartão contém a memória do momento, uma partícula da poeira daquele ar.

Mas apesar disso, não guardo esses objetos.

Eles me colecionam.

11 comentários:

  1. Meus GRANDES momentos estão "registrados" em pequenos objetos que me trazem enormes recordações!

    Carlos, seus textos são simplesmente Perfeitos... Eles me colecionam!! :)

    Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Lívia, a cima =)
    Guardo minhas lembranças em cheiros e músicas. Minha memória olfativa e musical são muito boas e más também, quando trazem a tona aquilo que não quero lembrar, mas inevitavelmente, vem até mim sem que eu possa reagir. Quanto as lembrança que se pode tocar, hoje, aos 23 anos, resta entradas de cinema, autógrafos cartões apaixonados e agendas, desde os 14 anos. Eu gosto de lembrar! =)

    Beijo, Ana Cláudia Duarte

    ResponderExcluir
  3. Sim, concordo plenamente com você. É muito bom ser surpreendida por coisas tão pequeninas que conseguem conter tamanhas recordações. Afinal de contas, essa é a nossa intenção ao guardá-las: buscar a felicidade que vivemos naquele momento - até mesmo a tristeza, pois de algum modo se transformou em aprendizado. Tenho que confessar que não possuo uma boa memória no geral, mas minha memória olfativa é excelente. Tenho em mim todos os "cheirinhos" das experiências que vivi. De vez em quando, uma brisa ou outra me traz algum "cheirinho", me fazendo relembrar várias situações. Gosto disso, mas os papeizinhos são impressindíveis...

    PS.: A minha redundância em elogiar os seus textos já está ultrapassando os limites. Veja se há como escrever alguma coisa q eu consiga criticar. O vislumbre excessivo me bloqueia essa ação...
    Bjos!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Oi Carlinhos... saudades dos teus textos!
    Esse texto tem muita relação com o Vítima, quando você diz que a música traz muitas lembranças a tona. Se a música e, como disse no comentário do Vítima, as fragrâncias são capazes de trazer a tona lembranças de um momento vivido o que dirá um objeto palpável?? rsrs Como sempre você é certeiro com as palavras! Um forte abraço Mi
    Mirela Naiara - BH

    ResponderExcluir
  6. Apesar da memória ser a grande guardadora de recordações, papeizinhos, fotos, músicas, palhetas, ingressos e outras coisas mais,valem muito mais do que a memória, pois esses objetos fazem com que a memória volte naquele dia, naquele momento...POr incrível que pareça mais ainda tenho guardado meu primeiro caderno da escola e isso me traz boas lembranças de um tempo que infelizmente não volta...E é por isso que guardo tudo o que me faz lembrar de um momento, uma história!
    Show Perfeito sábado...E para lembrar desse momento, tenho um papelzinho guardado, além de várias imagens.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Você conseguiu descrever bem o sentimento de um fã ao guardar/colecionar o que seja de seu idolo! Impressionante como um pedaço de papel, de toalha (eu tenho, acredite), palhetas, baquetas, ingressos, enfim... é um momento mágico qndo "ganhamos" algo assim, nos faz felizes não só por um momento, mas todas as vezes que nos deparamos com esses objetos relembramos como algo do passado foi lindo, foi bom, foi foda! Lembro até hj da minha emoção ao pegar no meio da galera uma garrafa de agua (cheia) jogada em um show (ñ de vcs), que isso, até hj tenho a garrafa e com a agua! Não tem explicação... vir aqui, pra mim, é foda, identificação msm! Penso durante dias o que escrever aqui, pensando em uma forma de não ser redundante e obvia, e de não escrever apenas: CONCORDO!

    (( Jah falei dmais - Teh))
    Debinha!

    ResponderExcluir
  9. Porque sumiram os dois posts depois desse,Carlos?o.Ohehe

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Alteroparafraseando Einstein: "Mais fácil quebrar um átomo do que as lembranças".

    ResponderExcluir