sábado, 23 de maio de 2009

Estações

Tenho um amigo que me disse algo que me fez mudar um jeito de pensar.

Quem tem ou já teve um jeito de pensar deve saber como é difícil mudar.

Conversávamos sobre um inverno tardio ou sobre um verão apressado, isso não lembro, mas o que ele falou foi: não tenho preferência de estação, gosto de verões muito quentes e invernos congelantes. Comprei na hora.

Desde então venho desenvolvendo intolerância com meias estações. As radicalidades me seduzem mais.

Meias estações não são estações. Os trens param nas estações, só param no meio por um mau motivo.

Hoje quase todos os esforços parecem voltados a evitar os contrastes, os extremos. Fogem de pontos de vista radicais por medo de ficar sozinhos. Alimentam um desejo doentio pelo comum, pelo razoável. Arredondam os cantos da vida.

Desisti das concessões: taco pimenta na comida. Cachaça, tomo de gole. Jogo alegremente a água do banho fora com o bebê junto. Roupas são pretas ou brancas, cinza é um desbotamento do caráter, ou pior, uma mancha. Nem vou falar dos beges. A própria palavra fala por si mesma.

Busco o desequilíbrio. É dali que vem o movimento. É o desconforto que me move, na direção dos próximos desconfortos.

Declarei guerra sincera e devotada ao senso comum. Uma implicância impertinente contra o mais ou menos. Compro brigas, vendo contradições e empresto dúvidas.

Não sobrará muro!

10 comentários:

  1. Convicção naquilo que se acredita, sem medo do que o outro vai achar ou não, acho que é por aí. Tô aprendendo a ser assim. =)
    E que venha o inverno congelante (não gosto dos verões intensos).
    Bjo Grande Carlos (Jack! hauhaua)
    =**

    ResponderExcluir
  2. Por que vc não fala das razões que as pessoas sentem e que as fazem terminar por exteriorizar sob um molde de meio termo algo que vive em sua plenitude dentro delas? Tipo uma chuva que não chove e um sol que não sai. Ou até chove e se torna ensolarado. Chover e bater o sol na vida são termos relativos quando metáforas, né?

    Já parou para pensar nos motivos para tantos esforços no sentido de evitar alguns extremos?

    Não estou jogando tinta na crônica. Adorei!

    Dificilmente uma pessoa será sempre assim. Mas o será em algum momento que seja, mesmo que aparentmente muito pequeno. Estamos acostumados a analisar só os grandes passos da vida... eu acho.

    ResponderExcluir
  3. Pertinência, esta é a palavra!
    E a eloquência, que nos permite, nos mutila!
    Mas, só as vezes.

    ResponderExcluir
  4. Amei o texto!!!

    "Meias estações não são estações. Os trens param nas estações, só param no meio por um mau motivo."
    Muito bom... nunca tinha parao pra pensar nisso!!

    E como disse alguém ali em cima, QUE VENHA O INVERNO CONGELANTE!!! o/o/o/

    Adoro teus textos!!!
    Bjãooo!!!

    Até breve, eu espero!!!

    ResponderExcluir
  5. OLha, penso que os extremos são importantes sim. Já dizia um ditado evangélico: coisas mornas não afetam o paladar. Em alguns casos. Mas é impressionante como às vezes as coisas não são bem assim. Se o verão fosse sempre escaldante a gente suaria o tempo todo: já sairiamos do banho suando. Se o inverno fosse sempre congelante teríamos que usar roupas de esquimó. E as outras peças do guardaroupa? Existem noites de verão que são "frescas" e não tão quentes. Perfeitas pra um happy hour num bar. E também existem noites de inverno agradáveis ideais para um pulôver. Talvez seja o mesmo que dizer: ninguém é insubstituível. Em alguns casos pode ser mas em outros todos somos importantes para alguém.É impossível ser assim full time.

    ResponderExcluir
  6. "Meias estações não são estações. Os trens param nas estações, só param no meio por um mau motivo." Nossa! Tu já tá começando a incorporar a genialidade do Carpinejar! Sobre a temperatura... Extremo só se for frio... Sobre outros aspectos da vida, better think about it!

    ResponderExcluir
  7. Pelo jeito as madrugadas também não estão sendo mais escuras, e sim, às claras.

    ResponderExcluir
  8. ''Nunca gostei do meio termo - o lugar mais tedioso do mundo.''
    Louise Nevelson

    ResponderExcluir
  9. Os extremos sao ótimos,
    para uns o verao intenso,
    para mim...o inverno escaldante
    Seja extremista ou muralista
    Sempre que uma situação estiver tediosa existe
    a outra opção e extrema...
    Como humanos que somos
    Não nos contentamos com somente duas opçoes
    daih a recorrencia aos termos medianos.
    Aproveitemos os opostos
    e abusemos deles...
    Qdo nao mais restarem
    Porque não pular para as outras?
    Mesmo "brandas" ainda sao sensações... boas.

    Adoro frio, sempre e nao trocaria o inverno pelo verao...
    Mas como tem um coment acima (em outras palavras): Todas as escolhas sao uma escolha, extremas ou nao, boas ou ruins...sempre fazem diferença.

    ResponderExcluir