quinta-feira, 9 de abril de 2009

Ítens de gênero

Carros são brinquedos masculinos. São nossa forma de expressão mais acabada, quando não a única.

Os fabricantes de veículos, sensíveis aos novos tempos, inventam uma série de ítens – é o nome técnico – para seduzir as mulheres: espelhos iluminados, porta-batom e sei lá o que mais. Alguns funcionam, mas eles parecem não ter percebido que o mais feminino de todos os ítens já está no carro. Aliás, sempre esteve, desde que o primeiro foi inventado: a buzina.

Basta olhar. Você ouve uma buzina no meio do trânsito e batata: é mulher.

Sei, estou generalizando um pouco, mas só um pouco, porque, quer dizer, homens e mulheres têm sons diferentes de buzina.
A buzinada masculina é uma palavra, melhor, um palavrão. É lacônica, abusada. A feminina é um texto, um discurso, uma história de vida.
O som da buzina masculina urra: SUMAM! A das mulheres conjectura: saiam da minha frente, tenho que buscar as crianças na escola, passar no mercado, preparar a janta, esperar o maridão ou: estou atrasada para aquela aula daquele professor gatinho e, se chegar tarde, não vou conseguir sentar perto das gurias e vou ter que falar do meu fim-de-semana maravilhoso em voz alta e tem detalhes que são meio…indiscretos e o professor gatinho pode ficar incomodado, aliás, ele fica ainda mais gatinho quando está incomodado.

Tenho infinitos motivos para invejar as mulheres – elas, de nós, só têm um: nossa capacidade de urinar em pé – mas quando vejo uma dirigindo, falando ao celular – sei, sei que é proibido, but – e buzinando para um motoboy imprudente que que se materializou no caminho, fico com sentimentos controversos: simpatia que crava um sorriso idiota na minha cara e inveja da forma como elas se ancoram na realidade através de todos os sentidos e poros.

5 comentários:

  1. "estou atrasada para aquela aula daquele professor gatinho e, se chegar tarde, não vou conseguir sentar perto das gurias e vou ter que falar do meu fim-de-semana maravilhoso em voz alta e tem detalhes que são meio…indiscretos e o professor gatinho pode ficar incomodado, aliás, ele fica ainda mais gatinho quando está incomodado."
    Hahahahaha, muito bom!
    Actually, nós usamos a buzina até mesmo para extravasar nossa TPM às vezes... aí, com certeza vira um item do nosso gênero realmente ;)

    ResponderExcluir
  2. Viu? Não são só os homens que se sentem poderosos ao volante. Essa é uma das coisas que nos fazem sentir assim: poderosas.

    Eu, sinceramente, me irrito com aquelas mulheres que transferem uma vida inteira de mimos para a buzina. Sou capaz de perseguir uma buzinada injusta!

    Mas a conclusão é: com uma buzinada, uma mulher pode levar um homem a loucura de raiva (o do lado de fora do carro), ou levá-lo ao chão fazendo-o tropeçar nesse sentimento controverso - e "cair" junto com ele.

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha....muito bom o post!!! Muito legal as coisas que tu escreve no blog,Carlos(podia ser um escritor)hehe...post mais vezes...8)

    ResponderExcluir
  4. "saiam da minha frente, tenho que buscar as crianças na escola, passar no mercado, preparar a janta, esperar o maridão..."

    Os homens reclamam, reclamam, reclamam, mas só até o ponto onde não é o próprio "maridão"... a partir daí iriam adorar se vissem elas com pressa para chegar em casa e encontrá-los com o maior sorrisão na cara...!
    Estou enganada??

    Homens... não compreendos, mas não vivo sem! hahaha!
    Muito divertido o post.

    ResponderExcluir
  5. Que lindo o texto, apesar de mulher sempre dirigir mal pra caramba, gostei.

    ResponderExcluir